Viver Saudável com EM

O diagnóstico de Esclerose Múltipla (E.M.) implica uma reavaliação dos estilos de vida do seu portador. Seguindo alguns conselhos como os a seguir indicados é possível levar uma vida com qualidade e bem-estar:

  • 1Seguir uma alimentação equilibrada, saudável, de qualidade e natural
  • 2O exercício físico desempenha um papel central no cuidado de uma pessoa com E.M. Praticar desporto de acordo com as suas capacidades, preferencialmente desporto de baixa intensidade de forma regular e, por curtos períodos de tempo permite melhorar a condição física do doente, aumentar a sua força muscular auxiliando a melhorar a espasticidade, os problemas de equilíbrio, a função intestinal e de bexiga, a depressão e, a fadiga.
  • 3Estabelecer um horário de tarefas a realizar com intervalos de descanso entre elas para evitar períodos de excesso de atividade.
  • 4Para uma vida sexual saudável “converse abertamente” com o seu médico questionando todas as dúvidas para as melhor solucionar, sendo por exemplo o uso de contracetivos seguro tanto no homem como na mulher.
  • 5Uma gravidez deve ser planeada numa fase de estabilidade da doença em conjunto com o seu ginecologista e neurologista. Na altura do parto, ser portadora de EM não tem um efeito secundário adicional exceto uma maior espasticidade dos músculos e, mais fadiga. Já na fase de amamentação a mulher deve gerir a melhor forma de amamentar o seu bébé.
  • 6Planeie as férias conscientemente. Uma viagem com períodos de descanso, levando sempre junto de si toda a medicação, quer viaje de avião, comboio ou carro, tendo em atenção certos países que exigem vacinação.
  • 7Viver com E.M. não é factor para deixar de trabalhar, contudo a vida profissional poderá sofrer algumas alterações, dependendo dos sintomas apresentados pelo doente de E.M. Poderão necessitar de mais períodos de descanso ou, reduzir o horário de trabalho. Outra questão pertinente prende-se com a comunicação à entidade patronal desta patologia. Desde que os sintomas não sejam visíveis, ficará sempre ao critério do doente esta informação, contudo é sempre importante alguém que conheça a sua história clínica. Importante também é manter um bom relacionamento profissional com a entidade patronal, para juntos encontrarem a melhor solução.
  • 8Tome a medicação de acordo com as indicações prescritas pelo seu médico (neurologista), pois é importante começar uma medicamentação que modifique o curso da doença com a maior brevidade possível.
Back to top of page